O «tempo dos incêndios» \ Pedro Levi Bismarck




//////////////////////////////////////
O «tempo dos incêndios»
Pedro Levi Bismarck
//////////////////////////////////////

Numa época que fez de todos os rituais efemérides de um passado distante, o «tempo dos incêndios» apresenta-se como o seu mais íntimo ritual. Ele ocupa já o calendário profano sem o qual é impossível pensar a liturgia do ano. E se todo o ritual tem na sua origem um sacrifício, a redenção é o fim último de todo o sacrifício. E, por isso, o «tempo dos incêndios» é à vez sacrifício e redenção, consumação e celebração. Poderíamos dizer: a celebração da consumação tanto como a consumação da celebração. Só esse movimento duplo explica e permite que um evento de consequências tão devastadoras como este possa, ano após ano, ser consignado ao esquecimento. “Que tudo possa voltar à normalidade” é o repto e a mais genuína ambição que se ouve um pouco por todo o lado. Mas que não significa outra coisa que: “voltar à normalidade para que tudo possa acontecer de novo no próximo ano”.
O ritual é o lugar onde cada época exorciza e celebra a inaptidão de lidar consigo própria. O ritual não precisa de explicação: é porque sim, acontece porque acontece. Naturaliza. É como o «tempo dos incêndios». Ele já tem um tempo próprio que é dele e que o torna simultaneamente único e cíclico, terrível, sangrento, voraz, mas ao mesmo tempo inescapável e irredutível, necessário.  Na liturgia sacrificial das imagens de fogos convertidos em espectáculo de jornal da noite, cumpre-se plenamente a consagração do ritual na sua inevitabilidade e fatalidade. O segredo do seu fascínio é a secreta e irreprimível complacência que une os espectadores. O mote de todo o ritual permanece válido aqui: é preciso que algo seja sacrificado para que a sociedade no seu todo possa ainda esperar a salvação. E só na medida em que é transformado em ritual pode o «tempo dos incêndios» ser tolerado e ser tolerável.
Mas, num outro sentido, o ritual é a consumação necessária dos despojos da guerra e dos seus excedentes. A floresta e as casas abandonadas ou devolutas, as zonas peri-urbano-rurais são hoje os despojos, os restos e os excedentes de uma guerra e de uma economia que têm o território como objecto e como fim. Hoje como sempre. Toda a guerra é uma economia e toda a economia é uma guerra. Ao Estado cabe a missão inglória de combater messianicamente a tragédia que ele próprio fabrica. Ano após ano. E, no final, o «o tempo dos incêndios» serve o seu duplo propósito: normaliza a catástrofe e renova o ciclo de extracção. Ano após ano. Consumação e celebração. Fogo e esquecimento.

//////////////////////////////////
Imagens
1. Fotograma de “O Sacrifício”, Andrei Tarkovski

//////////////////////////////////
Pedro Levi Bismarck
Pedro Levi Bismarck é editor do Punkto. Arquitecto, assistente convidado na FAUP e investigador do CEAU.

/////////////////////////////////
Ficha Técnica
Data de publicação: 11.08.2016
Etiqueta: Geografias \ Cidades