Cidade e "esquerda" ▬▬ Luhuna Carvalho






Um recente artigo de Catarina Portas procurou dar voz a um esboço de problemática “cívica” e “política” que nos últimos tempos ganhou algum terreno pela quase simultânea notícia de encerramento de alguns locais históricos da boémia Lisboeta. A transformação económica e social de Lisboa no período de aplicação de medidas de austeridade reorientou um número considerável de infra-estruturas económicas para a indústria do turismo, reconfigurando muitas das perspectivas colectivas sobre a cidade e o seu funcionamento. Que a cidade se transforme de modo brutal segundo alterações económicas não é obviamente uma novidade, já que a própria cidade moderna é em si uma consequência do desenvolvimento do capital e já que as suas infra-estruturasdas comerciais às de lazer passando pelas habitacionaisobedecem programaticamente às necessidades de um determinado modo de produção.

O que é relativamente inédito, em Lisboa, é que o poder económico de uma facção da classe média urbana nacional seja suplantado pelo poder económico de uma classe média urbana internacional na disputa pelo acesso aos mesmos locais, produtos e vivências. A emergência, não obstante quão limitada, das indústrias criativasdesign, arquitectura, indústrias audiovisuais, etc.criou uma classe média cosmopolita” cujos consumos passam por uma valorização do “autêntico”, do “boémio” e do “local”. Não obstante ser em Portugal uma classe profissional relativamente diminuta a sua proficiência mediática fez com que rapidamente alcançasse uma relativa hegemonia dentro da paisagem cultural, mas ainda assim nunca conseguiu reunir suficiente poder de compra para cristalizar a sua posição na economia da cidade: os seus parcos números foram ainda mais delapidados pela emigração (que ocorreu não apenas por necessidade económica) e as ditas indústrias nunca chegaram a ter a preponderância económica que têm noutros pólos urbanos.

O inesperado aumento do turismo em Portugal deriva, em grande parte, da diminuição do turismo nos vários países ÁrabesEgipto, Tunísia, Marrocos . Deriva também de Lisboa se prestar a um turismo moderno, influenciado por essa recente valorização do autêntico que despreza a homogeneização urbana, ainda que se torne um dos seus principais agentes. Paralelamente, este aumento sucede durante uma época de aplicação de medidas de austeridade onde o poder económico da classe média e dos pequenos proprietários cai a pique. Isto reflecte-se não apenas no preço do imobiliário, mas também na fiabilidade dos pagamentos dos arrendatários. Neste cenário torna-se apenas óbvio que os agentes económicos procurem rentabilizar os seus recursos. Este processo é transversal. O comércio orientar-se-á para os públicos-alvo com mais capacidade económica, os pequenos proprietários preferirão alugar a suas casas a turistas e mesmo os arrendatários poderão alugar quartos da sua casa, retirando mais dinheiro dessa renda do que do seu trabalho. As transformações são tão mais evidentes porque implicam a totalidade do tecido social, não apenas os grandes agentes económicos ou os decisores políticos. Na boca de Catarina Portas a questão torna-se evidente no que tem de ridícula: a lojista é, geracional e culturalmente, de modo impar, o exemplo desta Lisboa proto-hipster que triunfou através de uma exploração do “autêntico” e que agora vê o seu lugar contestado na hierarquia da cidade. Portas não lamenta a decadência da cidade mas sim a decadência da sua classe na hierarquia urbana, já que esta perde o seu lugar decisório no organigrama da cidade. Quem é este “nós” espoliado que emerge enquanto patronal dos flâneurs e que se reclama de legitimidade representativa dos interesses da polis? Não será certamente o da grande maioria dos habitantes da cidade, que para lá de não fazer a mínima ideia de quem é Catarina Portas (ou o que vende a sua loja) também não passará no Chiado mais do que uma vez por ano e tem preocupações bem mais centrais do que a abertura de um McDonalds numa zona da cidade que de modo explícito está reservada a consumos que nunca foram os seus.




Que este confronto entre elites económicas apareça trasvestido de problemática “política”, “crítica” ou “de esquerda” é apenas sintoma da incapacidade de pensar o que querem hoje dizer estes termos. Há evidentemente uma problemática complexa, até urgente, à volta destas questões, que traduz de modo contundente a brutalidade do impacto das dinâmicas do capital na organização da vida de qualquer um de nós. Mas essa, infelizmente, é apenas ocultada por todo o arraial de escândalo moralista e cripto-reaccionário que se desenha à volta do desaparecimento da Lisboa “autêntica”, ou pior, da Lisboa “Portuguesa” e dessa xenofobia “de esquerda” que é o desprezo pelo turista, como se esse paradigma de subjectividade não fosse transversal a esta pequeno-burguesia global. Essa “Lisboa verdadeira”, que se está “a tornar irreconhecível”, não existe para lá de um quilómetro quadrado no centro histórico da capital e o processo que a procura tornar emblemática da cidade apenas serve a esconder a multiplicidade de locais, realidades e culturas que constitui Lisboa. Este discurso serve, ainda, a naturalizar todas as relações de exploração e de pobreza que já existiam, de modo disseminado e óbvio, antes da chegada do turismo, como se a brutal desigualdade social da cidade e dos seus inúmeros fogos sem infra-estruturas higiénicas básicas fossem mais “naturais” e “desejáveis” do que um trabalho no McDonald’s ou do que uma vida nos subúrbios, o pesadelo existencial de Catarina e dos seus amigos. Por todo o choradinho que já se leu sobre a perda dos “locais autênticos” de Lisboa ainda ninguém se lembrou de pensar em que consequências terá tido no Bairro Alto, por exemplo, a chegada na década de 80 de uma classe média urbana emergente que obviamente tinha um poder de compra superior à média da população local (e que aliás incluiu a abertura de um McDonald’s, entretanto encerrado).

O “autêntico” é assim uma operação política. Quando dizemos que uma “tasca” é autêntica dizemos duas coisas: (1) que temos enquanto naturais o tipo de actividade aí levado a cabo e (2) que reconhecemos e legitimamos as relações sociais aí encenadas. O cerne da questão reside na causalidade entre estas operações: é por nos parecer natural e normal um determinado método de exploração que nos parece normal e natural um determinado contexto social. A “Lisboa autêntica” é aquela onde um tipo de 70 anos nos traz cervejas à mesa às três da manhã para ganhar pouco mais do que um salário mínimo (aos sábados, porque “nós” a partir dos trinta já não saímos como antes), e a “Lisboa descaracterizada” é aquela onde, durante a ressaca do dia seguinte, um puto black de um bairro social nos dá um hambúrguer para ganhar um pouco menos que um salário mínimo. A “Lisboa real” é aquela onde mostro o meu portfólio a um cliente na tasca da Tia Alice (que ainda me chama menina) e a “Lisboa descaracterizada” é aquela bomba de gasolina onde o pessoal bebe cervejas porque o seu bairro não tem uma “tasca típica” (e que me mete um pouco de medo, pelo menos até aparecer no Ipsilon). É por aqui que o barco da indignação “cidadã” começa a meter água por todos os lados, já que aquilo que era um “movimento cívico” é afinal, em toda a linha, apenas a defesa acrítica de um privilégio de classe que deixa inalteradas as condições que criaram o problema que pretende abordar.

Porquê acrítica? Por duas razões. Primeiro porque camufla as questões materiais na origem da questão: a organização da cidade segundo grelhas de valorização e as relações de poder aí naturalizadas. Segundo porque não atenta no modo como esta situação decorre, em toda a linha, de uma derrota da “esquerda”. Esta derrota é simultaneamente histórica e crítica. Histórica porque ilustra como esta esgotou sua missão fundamental de defender um determinado pólo na relação entre capital e trabalho, derrota sublinhada durante a governação de Passos Coelho, e crítica porque essa derrota se traduz num estado das coisas onde a “esquerda” não é capaz de mais do que assumir o lugar de “consciência moral” da “sociedade”, em tons mais moderados ou mais histriónicos. O problema desta abordagem à problemática da cidade surge explícito naquilo que não é dito. Quando dizemos que há uma “crise de cidadania” na cidade de Lisboa afirmamos um determinado modelo de cidadania. Ora essa fenomenologia de participação na polis assume a cidade e a sociedade enquanto locais independentes do capital, quando na verdade não há fenómenos mais emblemáticos do seu triunfo do que as metrópoles modernas e as relações que as preenchem. Ao afirmar-se que há uma sociedade ameaçada pelo turismo estamos precisamente a fazer coincidir um ideal de participação e igualdade com a maior máquina de exclusão e exploração da história. O espectro político da cidade não é a falhada síntese entre os cidadãos mas o confronto latente entre as classes, um confronto que contemporaneamente se espelha e multiplica em posições contraditórias. O significado clandestino da “turistificação” e da “gentrificação” é que numa altura onde todos os campos da vida estão sujeitos a valorização todos somos simultaneamente proletários e especuladores.




Que fazer então com a delapidação dos mapas emocionais das cidades e com o desaparecimento dos locais que marcaram os nossos hábitos, encontros e maturações? A questão, legítima, vai rapidamente ao encontro da deriva conservadora da esquerda abrileira e soixant-huitard que afirma não existir aquilo que não reconhece nos seus próprios termos. Por toda a banal metafísica da resistência que compõe a liturgia da “esquerda” torna-se embaraçosa a dificuldade em reconhecer que a única possibilidade de autenticidade decorre da materialidade das lutas e não do folclore das suas formas passadas. Esse mapa emocional da cidade, esse sentido que ela possa fazer, decorre das formas que se encontrar de a habitar colectivamente, em oposição a estes processos e tantos outros, e não na conservações dos ícones das formas de exploração caducas.
Há obviamente formulações mais sofisticadas do que a de Catarina Portas ou da banal indignação online, que procuram traduzir estas problemáticas para lá dos habituais termos do ressentimento burguês. Nos últimos anos tem ganho notoriedade uma discussão local sobre “gentrificação” que não obstante procure retraduzir estas problemáticas em termos políticos encontra ainda alguns problemas. Se por um lado a generalização do conceito se deveu bastante a um voluntarismo tão ou mais devedor ao conceito de “autêntico” do que os exemplos anteriores, por outro apenas parcialmente se pode falar de gentrificação em Lisboa. Existe de facto um deslocamento populacional por motivos económicos, mas este ocorre devido ao turismo e não devido à emergência de uma classe económica superior autóctone (o que implica consequências diferentes). Se por um lado as classes gentrificantes nunca consolidaram o seu poder de compra, e até viram a sua emergência hegemónica frustrada pela austeridade e pela emigração, por outro as tentativas estatais de requalificação urbana apenas parcialmente se conseguiram substituir a este processo. De outro modo, existe uma gentrificação sem gentry, sem um sujeito sociocultural determinado por trás dele.

A vulgarização do termo surge nas grandes cidades americanas dos anos 80 e 90. Nos anos 50 e 60 as populações brancas abandonaram as cidades após os motins raciais de Detroit, L.A. e Newarko great white flight. As décadas seguintes marcaram um lento regresso da classe média à cidade, marcado precisamente pela emergência de novas classes profissionais ligadas às actividades “criativas”, que preferiam a aventura da cidade ao tédio dos subúrbios americanos. A crítica elaborada sobre os processos económicos decorrentes deste regressoa expulsão das populações minoritárias que tinham encontrado nos bairros abandonados um territórioocorre já num período de refluxo da esquerda, num rescaldar das insurreições globais dos anos 60 e 70. Como tal, o conceito de “gentrificação” parece surgir enquanto materialização urbana de uma crítica do capital que teria abandonado qualquer possibilidade imediata de ruptura revolucionária e que se procurava reinventar enquanto ciência de sofisticação moral e humana de um capitalismo avançado. Traz por isso tantos problemas críticos às costas, não sendo os menores a defesa da “autenticidade” ou a incógnita relativamente às relações de propriedade que defende. Surge de aí uma conclusão latente às várias lutas locais contra a gentrificação: não há notícia de uma que tenha sido vitoriosa, sequer parcialmente. Isto porque a gentrificação não é um processo, mas sim uma consequência de um modo de produção cujas formas de valorização assumem por vezes essa forma. Separar estes fenómenos corre o risco de transformar o diagnóstico de uma nocividade numa ferramenta do senso comum reaccionário. É possível ser contra a gentrificação de um modo conservador assim como é possível ser contra a corrupção enquanto se defende uma economia de mercado.

Recuperando uma crónica relativamente recente de António Guerreiro onde este afirma que quem fala do turista está inevitavelmente a falar sobre si próprio, torna-se evidente que o luto que “a esquerda” faz sobre a “sua” cidade que desaparece é um luto por uma relação social complexa. Chora-se ao mesmo tempo a perda de um privilégio (burguês) de classe e, ironicamente, a perda de uma força (proletária) de classe. Que se possa esboçar o ocaso do momento onde estas coincidiam não é necessariamente o pior dos cenários.


Notas da edição
O texto «Cidade e “esquerda”» foi originalmente escrito em Março de 2016. Foi incluído no Caderno \ Souvenirs de Porto.

Ficha Técnica
Data de publicação: 14.03.2017
Etiquetas: Territórios \ Cidades